sábado, 18 de junho de 2011

O inovar é do passado? Ou no passado era inovar?


Inovar o que seria trazer uma nova visão do que está estabelecido ou simplesmente dar uma visão do ainda não existe? Onde já se viu uma pergunta tão complexa como essa. Já que hoje em dia o plagio é maior ferramenta na tecnologia, na musica, no cinema, na moda e em tudo em geral.
Inovar é não se vestir de vermelho e por uma melancia no pescoço pra chamar a atenção. Mas sim ser a melancia se vestir de vermelho, por um colar de caroços e um sapato listrado com tonalidades de verde. Ou seja, ter atitude e não ser mais uma modinha.
Inovar não é pegar algo que já exista e mudar o design, é criar e inventar algo que nunca foi pensado por nenhum celebre das criações. Por exemplo, na arte é possível inovar, pois mexe com os sentimentos de que a vê, mesmo que seja um quadro brando com uma listra diagonal. A moda também inova de forma autêntica. Como na tecnologia também que cria objetos úteis que nunca foi imaginado, lembrando que o primeiro celular o conhecido “tijolão” é a inovação e não as imitações com complemento.
Isso faz lembrar-se do celebre Platão que disse que as coisas eram “é a imitação da imitação. Pois é, estamos na Era da imitação da imitação e nem percebemos. Vai ver que a razão disso tudo é que agora a ideia é desconstruir. Será? Mas, para salvação do mundo da inovação, ainda existem inovadores genuínos que jamais iriam apenas modificar o existente e sim criar desde a concepção da ideia.
E você é inovador ou imitador?