terça-feira, 3 de novembro de 2015

Resenha: O extraordinário poder da intenção

Editora: Sextante
Aut@r: Esther e Jerry Hicks
Capa: Para um assunto tão voltado para consciência e espírito,  poderia ter havido mais criatividade e inovação. Seguir o mesmo padrão do estilo de auto ajuda se torna cliché e chato.
Narrativa: Fluente e tranquila, contudo, em algum momentos, principalmente nos exemplos, torna-se muito repetitivo, é como se a pessoa já pudesse ter compreendido e os autores querem falar cada vez mais, tirando esse detalhe, a linguagem, a arrumação dos capítulos estão de parabéns.
Visão: Coma introdução o leitor já pode se assustar um pouco, devido a grande promessa de coisas que geralmente são difíceis,  contudo, como o livro tem caráter de auto ajuda, leitores que gostam de livros assim, sempre levam adiante.
O Jerry traz a abertura do livro explicando como a técnica pode ser eficaz na vida das pessoas, junto com a Esther, eles apresentam uma técnica chamada de Abraham, tomar conhecimento de sua vida e aprender os ensinamentos da técnica são atributos básicos que são apresentados logo no primeiro capítulo. No segundo momento os autores explicam como a vida na terra está progredindo e que como seres humanos plenos devemos nos concentrar em todo processo de vida e melhora. Já no capítulo 6 até o capítulo,  você começa a criar uma noção da idéia que os autores desejam passar, é neste momento que toda a sua leitura é justificada e de querer apresentar um rumo para a sua vida. Só a partir do capitulo doze que os autores começam a explicar como fazer para capacitar e fluir toda essa energia do pensamento e dos sentimentos para com a realidade.
Acho que posso definir o livro da melhor.maneira com a esta citacao: "por que aceitar ou "encarar uma realidade que não é agradável quando pode criar uma realidade que é agradável?  É uma escolha que cabe a você fazer."
Para mim um dos melhores capítulos é o dezessete, ele fala muito bem como a nossa visão distorcida do mundo afeta nosso interior, isso torna-se interessante por que você cai na real de que é verdade. Já a partir do capitulo trinta e dois os processos começam a ser explicados e o leitor começa a compreender e apreensão der melhor o que os autores querem passar. Eu achei bem interessante a sua construção junto aos exemplos, onde os autores repetem incansavelmente, que para algumas pessoas pode ser bom tanto quando ruim.